3.7.07

A Sagrada Família

Naturalmente a nossa amiga Patrícia pergunta-se como é que uma expressão tão natural como “família natural” pode ser vista como uma expressão que destila ódio.
Podemos pensar que as expressões naturais existem naturalmente para designar coisas, entre elas as famílias naturais, nas quais naturalmente se inclui a ela própria e à sua família. Mas surge a dúvida - se as famílias são naturalmente naturais porque é que temos que colocar natural à frente de família?
Para compor uma bela expressão e para naturalmente excluir da natureza outras, que famílias se consideram, mas que naturais para a Patrícia não podem ser.
E assim cabe-nos naturalmente perguntar à Patrícia, quando excluímos alguém da natureza estamos a coloca-la onde?
E então civilizadamente reflecti sobre qual poderia ser o contrário de natureza. Talvez fosse civilização compondo a bela expressão famílias civilizadas.
Proponho então esta expressão- famílias civilizadas, donde forçosamente excluímos a Patrícia e todas as outras famílias que naturalmente são naturais.
Porque a exclusão, Patrícia, assim como o nojo, e o combate que a Patrícia assume contra as famílias civilizadas, destilam, naturalmente não ódio, mas amor natural e fraterno à imagem Cristã dos braços naturalmente abertos de Cristo.

2 comentários:

me disse...

Ah, também não sabes o que são famílias naturais, uff, sinto-me melhor. De repente pus-me a pensar nas famílias congeladas, imagina.

(e aquilo dos braços do Cristo, não será também por efeito da congelação?)

lobotomias disse...

talvez o gelo fosse mais facil de partir do que a água...